Breve

julho 25, 2011 at 8:32 pm (Uncategorized)

Estive bebendo tudo o que continha álcool, todo copo entregue por mãos amigas, tudo o que pudesse ser tragado. Lembro pouco, mas recebi cuidados.

Despertos na manhã seguinte, ambos éramos acometidos por uma ressaca como poucas. O corpo pesava, os membros pendiam à limiar do colchão, havia uma dificuldade tremenda de me levantar. Não apenas pelos sintomas físicos descritos, mas porque você é tão bonito. Era bonito demais acordando. Eu no meu colchão enquanto você no seu, observa-lo não me invadindo o tornava ainda mais bonito. Beleza que vem de dentro, dessas que os olhos não costumam perceber com a qual as pessoas não costumam se importar.

Eu ria por alguma coisa quando você me beijou. Um beijo breve, quase inocente não fosse seguido pelo próximo. Vista a perfeição do momento que dividíamos, não sei se o teria beijado. É comum que eu sinta medo de concretizar vontades, mas naquela tarde eu fui só reflexos. Teria o agradecido por isso, fossem outras as circunstâncias.

Tive receio de toca-lo, ainda assim toquei. Sem cautela alguma. Bizarro como o estômago se contorce para nos alertar sobre o fato de estar tudo errado. Você o ignora e então suas mãos começam a suar, pedindo pra que você pare o quer que esteja fazendo. Ao passar por cima destes sinais tudo o que resta ao teu corpo é mandar inúmeros espasmos às pernas, num movimento que tange o ridículo. Nada que frases bem canalhas não suprimam, ditas baixinho ao passo que te olham dentro dos olhos.

Dei um mortal de costas, um salto duplo twist carpado. Fechei bem os olhos, exalei o restante de ar dos pulmões. Algum dos meus movimentos deve ter se antecipado e, ao invés do voo, a queda. Abrupta, seca, impiedosa. O problema é que só estatelada em solo é que se percebe o tombo. Aí então, meu amigo, eu diria que é um pouco tarde.

Tentarei abrir os olhos, tentarei guardar um pouco mais de ar. Alguma coisa eu aprendi, só me resta descobrir o que.

Anúncios

10 Comentários

  1. tamirissouza said,

    Escrevendo sempre bem. Na verdade, sempre melhor. Gosto demais dos seus textos, Nicolle. Você transmite pra quem lê o que você sente. Acho isso incrível.
    Parabéns, não pare com isso, ok? Hahah
    =*

  2. - said,

    Sem sentir, você calcula mal alguma coisa no passo e, em vez de vôo, vem a queda.

  3. puroabsorto said,

    Lindo, Nicolle. Como sempre tocando corações, atravessando almas e invadindo mentes. Parabéns.

  4. Tamara said,

    Tu escreve de uma maneira simples, mas emocionante. É o tipo de escrita em que nós leitores enxergamos a cena e, muitas vezes, nos identificamos.Ter o dom de escrever com o coração é para poucos e tu é uma privilegiada. Parabéns, Nicolle.

  5. Igor said,

    E essa infinita inconstância sobre ”o que fazer?” é que nos acaba por dentro. Segurando a vontade, pensando nisso e matutando aquilo, sempre amarrando – contra nossa vontade – um de nossos pés, o deixando fora da relação pra um suposto futuro erro. Eu não exatamente como é que ainda existam pessoas assim, como você, (e como eu também por que não?) que se importam com o que hoje não se têm mais importância. Sinto, escondo, sofro, penso e guardo. E GUARDO. A última frase do teu texto contradiz o que eu ando tentando negar à mim mesmo. Eu definitivamente aprendi alguma coisa, talvez não muito agradável, confesso, que é justamente por ser contrário ao que normalmente eu faria: sair de casa pegando o primeiro ônibus que me levaria ao encontro da minha destinatária e dizer o que de abstrato tinha em meu peito, que era dela e de mais ninguém. Mas como o mundo tá mudando eu também ‘mudei’ e não sei de fato se acertei ou errei agindo contrário aos meus princípios. A verdade é que eu sinto, e sinto MUITO. E você conseguir descrever o que acontece contigo sendo que é quase que um relato fiel da minha vida é infinitamente confortante, essa coincidência construtiva. Parabéns pelo texto querida, e nada funciona melhor do que ter o pensamento de que tem uma força maior no controle de todas as coisas somente pra nos proporcionar a felicidade. Acreditemos! =]

  6. Luiza said,

    o problema não é a queda em si. é quando o medo do tombo te impede um futuro vôo.

  7. Breve (via Liveinskin’s Blog) « Quebre as correntes, said,

    […] Breve (via Liveinskin’s Blog) Por quebreascorrentes Estive bebendo tudo o que continha álcool, todo copo entregue por mãos amigas, tudo o que pudesse ser tragado. Lembro pouco, mas recebi cuidados. Despertos na manhã seguinte, ambos éramos acometidos por uma ressaca como poucas. O corpo pesava, os membros pendiam à limiar do colchão, havia uma dificuldade tremenda de me levantar. Não apenas pelos sintomas físicos descritos, mas porque você é tão bonito. Era bonito demais acordando. Eu no meu colch … Read More […]

  8. jaynslai said,

    Esse é um texto para uma pessoa desconhecida. Ou melhor, uma pessoa que me desconhece, também desconhecida pra mim, pois eu nunca a vi pessoalmente, nunca conversamos, não sei muita coisa da vida dela, mas gostaria de saber, gostaria de um consolo pessoal, assim como os textos dela me consolam, pelos mesmos posso ver que existem pessoas que pensam como eu, tem um modo único de se expressar, mostra teus sentimentos de uma forma leve, sem se preocupar com o que as pessoas pensarão, sem pensar nas críticas. É claro que críticas não são bem-vindas, coisas boas sim, são bem-vindas, por esse motivo acho que ela gostará desse texto, porque fala bem dela, isso é algo bom. Não lembro exatamente a primeira coisa que li dela, ou sobre ela, nem a primeira foto que vi, sei que já faz algum tempo, desde então venho lendo tudo que ela posta, não é uma paixão por ela – eu diria – e sim pelas palavras. Bem, eu digo com a mesma certeza que sei que Kurt Cobain, e Ramones são meus ídolos, ela também é. Sou fã, de verdade, gosto dela, do que escreve, queria estar perto, são anos de admiração, não creio que isso acabe, pelo que as pessoas falam, por ela não me seguir no twitter, enfim, continuarei amando cada palavra que sai dela. Eu não me canso de me surpreender com a diversidade de emoções que encontro em teus textos, é fascinante como algumas sensações que tu tens, consegue passar para mim/para todos. Tu como quase tudo e todos, têm seus lados positivos e negativos, normal né, tu és surpreendente, mas humana, e por isso gosto mais de ti, saber que tu existe. É incrível esse nosso impulso de expectativa, não há decepção o bastante que nos faça parar de esperar coisas dos outros, eu esperei uma resposta dela, esperei que ela apenas me lesse, e não me decepcionei, ela leu. Por mais que tentamos fixar o conceito de “não esperar nada de ninguém” na nossa cabeça, nossas emoções correm como um fluído concentrado e cria quase que automaticamente uma esperança dentro de nós. Obrigada Nicolle, por me mostrar que não sou tão “nada” assim, como outras pessoas me vêem. Enquanto nada era tão forte e merecedor para explodir em mim a coragem de falar algo dela ou pra ela, eu ficava aqui, a lendo.
    Eu sei que este texto é simples, e normal – muitos falariam isso de ti – mas é o mais sincero em que posso chegar. Eu tenho uma grande admiração por ti, acredite.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: